Notícias das más # “O Mediterrâneo não é um mar, mas sim um cemitério”

Este Domingo cerca de 900 imigrantes estão desaparecidos no mar Mediterrâneo, depois de a traineira onde viajavam com destino a Itália ter naufragado a 60 milhas da costa da Líbia. A confirmar-se, terá sido o pior desastre dos últimos tempos a envolver imigrantes no Mar Mediterrâneo.
Como em 2013, a expressão “nunca mais” volta a ser repetida. Como em 2013, quando morreram mais de 360 pessoas ao largo de Lampedusa, espera-se que algo seja feito, depressa, para minimizar o drama quotidiano das mortes no Mediterrâneo, a fronteira em paz onde mais se morre no mundo. O problema é que o que foi feito em 2013, só durou até Outubro de 2014, quando a Itália pôs ponto final a operações que envolviam gastos de 9 milhões de euros por mês e que os parceiros europeus recusavam partilhar.
O Papa Francisco, que recorde-se fez a sua primeira viagem apostólica a Lampedusa,  já se manifestou sobre a tragédia que terá provocado cerca de 900 desaparecidos. “Faço um apelo à comunidade internacional, para agir de forma decisiva e rápida, para evitar que tragédias como esta ocorram novamente”, disse. “Dirijo um premente apelo à comunidade internacional para agir de forma decisiva e rapidamente, para evitar tais tragédias ocorram novamente”, disse o Papa Francisco, citado pelo jornal italiana La Reppublica.
Como escreve Alexandre Homem Cristo será que a rotina do horror nos tornou indiferentes? Quantos mais terão de morrer no Mediterrâneo até que a Europa assuma as suas responsabilidades?

Notícias das más # O massacre de Garissa no Quénia e a também existente perseguição aos cristãos

No passado dia 2 de Abril um grupo somali com ligações à Al-Qaeda entrou na Universidade de Garissa no Quénia e foi atirando sobre as pessoas que ia encontrando pelo caminho. Morreram 148 estudantes cristãos. Outros tantos encontram-se feridos com gravidade.
Esta é uma notícia a que vergonhosa e hipocritamente os media não deram e continuam a não dar qualquer destaque editorial. Alguns noticiários limitaram-se a passar a notícia em nota de rodapé, enquanto outros passaram uma micro reportagem de 10 segundos. Parece que esta notícia não é digna de destaque semelhante ao que foi dado ao não menos grave atentado no jornal Charlie Hebdo ou à incompreensível tragédia da queda do avião da Germanwings… Mas porque será? Porque se passou em África? Porque as vítimas não eram europeias? Porque morreram cristãos e não muçulmanos? Bem sei que nós os ocidentais europeus somos uns privilegiados por termos nascido no hemisfério Norte, mas que também por cá já temos que viver com muitos e graves problemas e vicissitudes… Mas a meu ver nada justifica esta discriminação negativa dos media.
Posto isto, registo uma vez mais com agrado o facto de o Papa Francisco se mostrar atento às periferias, às verdadeiras periferias, aquelas para quem ninguém quer olhar, ou não tem tempo, ou desconhece, enfim. Na sua Mensagem Urbi et Orbi de Domingo de Páscoa o Papa Francisco reforçou as suas preocupações em relação aos cristãos perseguidos por causa da sua fé, lembrando ainda todos os “que sofrem injustamente as consequências dos conflitos” em curso. O Papa Francisco pediu ainda “que uma oração incessante suba de todos os homens de boa vontade para os que perderam a vida — penso particularmente nos jovens que foram mortos na quinta-feira na Universidade de Garissa, no Quénia”, disse o líder católico, aludindo de novo aquele massacre, como já fizera na Via Sacra de sexta-feira. Assim de repente não me recordo de ver nem ouvir qualquer outro líder mundial lamentar este atentado.

Semana Santa # Tríduo pascal no Passo-a-Rezar

Já estão disponíveis aqui as meditações do Passo-a-Rezar para o tríduo pascal, desta vez pelas vozes da Cuca Roseta e do Ricardo Carriço. Este ano, mais uma vez, o Passo-a-Rezar convida-te a viver a Semana Santa com uma oração mais intensa, centrada sobretudo nos acontecimentos celebrados no tríduo pascal: quinta e sexta-feira santas e domingo da ressurreição. Boas orações!